Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

23
Jul21

Souto 17

Zé Onofre

               17

 25/11/974

                    I

Procuro-me incansável

Por entre os factos do dia-a-dia

E encontro

Sempre a mesma imagem desamparada.

Procuro-me insistentemente

No espelho do que fiz

Derrotas e humilhações

E vejo-me pessimista.

Prendo-me ao passado,

Cadeia que me enreda

Em algumas certezas,

Muitas incertezas,

E vejo

Um ser melancólico.

               II

Cada lágrima é uma lápide

A cada glória desperdiçada.

Olho,

Vejo-me cheio de raiva

Pelos factos que me mostro

E que jamais fiz.

Entretanto

Os outros não me veem

Como imagem falsificada

De mim próprio.

Quando no meu quarto,

Tendo-me como companhia única,

Sinto em mim um desistente

Incapaz de desistir

Por inércia

E na esperança

Que novas forças

Me venham arrancar

A este torpe,

Estéril,

Inútil,

Viver

  Zé Onofre

21
Jul21

Souto 16

Zé Onofre

             16

 18/11/974

I

Perco-me

Na memória de mim

E na dos outros.

Não sei se nasci ontem

Se nasci hoje

Se estou ainda por nascer.

Faço-me

Hoje,

Todos os dias,

Marco de mim mesmo.

Ora sou ontem,

Ora me futuro amanhã.

Perco-me

Na memória de mim

E na dos outros,

Todos os dias

Me construo diferente.

Imagem sonhada,

Ou moldada

Pelo meu querer inconsciente.

A memória de mim

É sempre alterada

Pela memória dos outros.       

                      II

Sendo eu,

Ou sendo outrem,

Não importa,

Seja ou o que for

As ilusões nascem-me como cogumelos.

Também a saudade

- Sempre a mesma palavra –

Se veste de recordação do passado,

Ora se enfeita de recordação do futuro,

Ou memória

Do que se não fez

E já não se pode fazer,

Ou esperança de encontrar

O que sequer se imaginou.

Saudade,

Que me prende ao passado,

Que me faz reviver o que fui,

E doentiamente o que não fui.

                     III

Sempre.

Procura permanente

De formas diferentes

De uma solução

Que crio,

Recrio,

Invento,

Destruo,

Endeuso,

Construo

E destruo.

A minha memória,

Factos de derrota,

De incertezas,

Desesperança de vencer.

A memória

Que me diz

Sentimental,

Rude,

Sensível,

Grosso,

Inteligente

E ininteligível.

       Zé Onofre

20
Jul21

Souto 15

Zé Onofre

             15

15/02/974

 Retirado da vida,

Isolado das tormentas

Sofro de ausência de dor.

Vida sem dor

É esperança perdida

De encontrar porto acolhedor.

Mar alto,

Onde se caminha lentamente                         

Sobre as ondas

Ao encontro do infinito.

Mar alto,

Ondas de palavras,

Onde nos enredamos,

Nos desfazemos,

Juntamente com a espuma nas praias,

Paredes da desilusão.

Tropeçando

Nas vagas alterosas

De um mar uivante

Numa viagem aventureira

À procura dum porto de abrigo.

Passeando

Nas ondas serenas

Que em colinas redondas

Se sucedem,

Em campos de irrealidade,

Perdemo-nos de nós

E diluímo-nos

Na água imensamente.

Retirado da vida,

Isolado das tormentas

Vida sem dor

Sofrimento redobrado.

Saber-se de antemão

O caminho a percorrer,

É estar perdido

Nas certezas que nos traçaram.

Escolher caminho,

Entrar por mares das tormentas,

Cortando vagas alterosas,

É certeza de lutas incertas,

É conhecer-se perdido,

É ter a esperança

De se ser resgatado,

Com sorrisos de vencedor.

Vagas gigantes,

Com vento uivando sobre as águas,

É saber-se de antemão perdido,

É achar-se ainda de esperanças iludido,

É pensar-se ainda vivo

E sonharmo-nos eternos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mar alto,

Onde se caminha lentamente                         

Sobre as ondas

Ao encontro do infinito.

Mar alto,

Ondas de palavras,

Onde nos enredamos,

Nos desfazemos,

Juntamente com a espuma nas praias,

Paredes da desilusão.

Tropeçando

Nas vagas alterosas

De um mar uivante

Numa viagem aventureira

À procura dum porto de abrigo.

Passeando

Nas ondas serenas

Que em colinas redondas

Se sucedem,

Em campos de irrealidade,

Perdemo-nos de nós

E diluímo-nos

Na água imensamente.

Retirado da vida,

Isolado das tormentas

Vida sem dor

Sofrimento redobrado.

Saber-se de antemão

O caminho a percorrer,

É estar perdido

Nas certezas que nos traçaram.

Escolher caminho,

Entrar por mares das tormentas,

Cortando vagas alterosas,

É certeza de lutas incertas,

É conhecer-se perdido,

É ter a esperança

De se ser resgatado,

Com sorrisos de vencedor.

Vagas gigantes,

Com vento uivando sobre as águas,

É saber-se de antemão perdido,

É achar-se ainda de esperanças iludido,

É pensar-se ainda vivo

E sonharmo-nos eternos.

19
Jul21

SOUTO 14

Zé Onofre

               14

___/01/974

 No meu laboratório

Onde soam

E ressoam palavras

Ininteligíveis,

Conhecidas,

Significantes,

Desconhecidas,

Insignificantes

Que gélidas ressuam pelas paredes

Deste quarto só.

No meu laboratório,

Invento palavras

Para descrever uma outra realidade,

Por onde flutuo.

Quando me retiro

Para o meu laboratório

Solto as palavras

Dos seus significados

Moldo-as a meu gosto,

Ora violentando-as,

Ora acariciando-as,

Ora matando-as,

Ora fazendo-as ressuscitar

Em odes,

Ou odres.

No meu laboratório,

A vida

Transforma-se,

Morre e renasce,

Ao ritmo de palavras

Que torço e retorço

A meu bel-prazer.

    Zé Onofre    

 

 

 

17
Jul21

Souto 13

Zé Onofre

13

 23/01/974

Vontade de me mostrar

Um ser eu diferente.

Possesso de uma vontade

De viver ao longo das horas mortas,

Flutuar ao saber de correntes inimagináveis.

Deixar as quatro paredes,

Sempre quatro paredes,

Ainda que no alto do monte,

Encarrapitado no mais alto penedo,

Sob um céu cinzento pronto a desabar em água,

Rodeado de horizontes

Sem limites.

Sentir o vento Norte

Na manhã gélida clara de sol,

Que me rodopia e enrola,

Fazendo-me viver distâncias,

Ancorado no meu quarto,

Mostrando-me infinitos,

Inalcançáveis,

Montado no seu dorso 

Anunciando liberdades infinitas,

Galopando por vales e planícies.

Lembrar o vento primaveril,

Nas manhãs frescas ao amanhecer,

Ondular nas searas verdes do centeio,

Onde o sol nascente refratado no orvalho,

Faz pinturas abstratas de rara tonalidade.

Voltar a ver-me refletido

Nas águas paradas de lagoa do rio,

Viver sonhos turbulentos  

Capazes de romper o desespero de ser este, eu,

Que se amarra neste quarto,

Com medo de viver.

  Zé Onofre

16
Jul21

Souto 12

Zé Onofre

12

23/01/974

 Se a verdade que abafam é mentira.

Se a verdade que proclamam é mentira.

Então tudo é mentira.

Quero eu que se anuncie a verdade.

A verdade é o desalento de nada ser.

É o ser de nada querer.

É o querer ser nada.

É o nada.

Nada.

Vazio da ideia de mim próprio.

Essa verdade

Nem abafada,

Nem proclamada,

Nem escondida,

É a verdadeira verdade da vida.

Plena de desesperos.

De noites inglórias.

       Zé Onofre

 

 

 

 

 

15
Jul21

Souto 11

Zé Onofre

11

30/09/973

Que fazer

Da solidão e do desespero.

Da angústia e do desatino,

Do nada e da plenitude,

Um novo amor?

Que fazer

Das palavras sentidas

Longamente perdidas,

No sem fim de rumores,

No eco dos rumores,

Nos uivos e nos gritos,

Na vozearia e da gritaria,

Nas curvas da louca mente,

No troar permanente,

Nos confins do mundo,

No mar profundo,                                 

Nos areais açoitados pela ventania,

Um novo amor?

Que criar entre mim e ti, entre nós,

Com o perdido e despedido,

O trucidado e aboquejado,

O desfeito e rarefeito,

O contrafeito e imperfeito,

O desiludido e temido,

O negado e estraçalhado,

O falado e calado,

O dito e contradito

Amor?

Inventar tudo de novo?

  Zé Onofre

14
Jul21

SOUTO 10

Zé Onofre

         10

 27/07/973

Quero inventar,

Do caos e do nada,

Do deserto e da solidão,

Da tristeza e da melancolia,

Do ódio e da guerra,

Um novo amor.

Quero inventar

As palavras que faltam,

Os sons desconhecidos,

Os sentimentos não sonhados,

As regras nunca sonhadas,

Para que do fundo do infinito,

Surja um novo amor.

   Zé Onofre

Quero inventar os seres,

A vida

Que dará existência

A um novo amor.

Quero inventar…

Se tudo já foi dito,

De trás para afrente,

De cima para baixo,

Baralhado e extraído em mil frases,

Concordantes

E contraditórias,

Sobre o desterrado,

Emparedado,

Assassinado Amor.

14
Jul21

Souto 9

Zé Onofre

    9

 ___/___/972

Em viagem,

No mesmo ritmo eterno,

Recordo as palavras não ditas.

As que não disse na Livração,

Nos lugares de Coimbra,

Que me assombram

Nas longas horas de solidão.

Falar

Ou não falar,

Ter coragem,

Ou não ter coragem,

Tudo nisso se resolve.

Quantas dúvidas,

Nas longas horas

Que me apertam.

Falei as palavras todas,

Que uma pessoa calada de timidez,

Pode dizer.

Ouvistes

E calastes.

Todas as palavras de amor,

Mortas antes de nascerem.

Todas as palavras

De revoluções utópicas.

Todas as palavras frustradas

Que só eu consigo dizer. 

  Zé Onofre 

13
Jul21

Souto 8

Zé Onofre

                         8

 ___/___/972

 Dias loucos sem tempo

Que esta casa comtempla.

Vida em apodrecimento

Ao longo do tempo.

Alguns momentos,

Poucos,

De alegria

Que não iluminam

O tempo aqui.

Vida

Vivida

Perseguindo o tempo

Que se esvai

Atrás do tempo.

Sinto-me parasita do tempo

Que passa,

Que passou

Do que virá?

Esbanjador do que fui

Parasita

Do que poderia ser.

Maus raios me levem.

Risos,

Gargalhadas,

Palavras entusiasmadas,

Fingimento de felicidade

Há muito jogada no vento

Originado nesta cabeça desnorteada.

Atirei-me para este quarto.

De mãos nuas vim

À procura de sentido

E apenas

Ecos gelados sem vida,

Da minha própria voz,

Dos meus próprios gestos.

Ouço de volta.

Risos,

Choros,

Alegrias,

Tristezas

Só ao longe,

Lá muito longe de mim.

De mim,

Da fingida liberdade que mostro,

Gelo,

Tanto gelo

Que até as pedras das paredes

Esfriam.

Campos verdes

Se espraiam na minha janela.

Regos,

Riachos,

Lagunas de água,

Refletem esta sombra

Que espia pela janela.

Este mesmo ser sombrio

Olha pelo canto da vidraça

Aves em voos artísticos,

Sob o céu azul,

Do nascer ao por do sol.

Vulto escondido,

Atrás da janela aberta,

Escuto conversas

Alegres,

Sublinhadas por risadas,

Palavras tristes

Ditas com lágrimas.

Meu viver

Feito de palavras enganadoras,

De risos postiços.

Tantos “eu”

Escondidos

Nas palavras sentidamente ditas,

Que me perco na sua rede

A descortinar qual deles sou,

Ou se nenhum.

Tanta imagem,

Tanto nada

Que encontro entre os espaços,

Nos sonhos,

Nos ventos,

Nos montes,

Nas fontes,

E quem procuro não está lá.

Não quero acreditar

Na inutilidade da vida que invento,

Na inutilidade em que me transformei.

Em tudo que intento

Está a prova

De quem nada pode,

Nem mudar o rumo da vida.

Sinto-me caído,

Destruído

Por todos e por ninguém

Mas com ajuda minha, sem dúvida.

Eliminado

Por descuido, ou arrogância,

Por engano, ou indiferença,

Ou se por recusa de continuar

Devido ao medo de errar,

Ou só de ouvir um não.

Tento levantar-me do chão

Voar em sonhos

Em que quero acreditar,

Mas sei que deles caírei

À primeira brisa contrária.

Gostava de ter a certeza

Para poder dizer

- Sou o que sou

Porque vós sois o que sois –

E seria nova fuga de mim

Para outro “eu”

Tão inútil, certamente,

Como daquele de que fujo.

De fuga em fuga,

De vai,

Vem,

E volta a ir

Vou-me construindo um nada.

Embrulho-me em mim próprio,

Imaginação do impossível,

No mundo do não sensível,

Na irrealidade.

Pára

Eu enosilhado,

De enunciar palavras loucas,

Que inocentes nascem

Das profundezas da loucura

Que sou.

Que pesadelo este,

Que por palavras incoerentes,

Tenta levar-me ao normal

Quando detesto a normalidade

Que tento fintar

Com palavras loucas.

Raios e trovões,

Aragens e vendavais,

Tempestades e tormentas,

Levai-me

Para onde não tenho coragem

De meter os pés a caminho

Até à fuga final.

Não deixeis de mim,

Nem uma lembrança,

Nem uma impressão digital,

Nem uma pegada,

Nem fotografia, nem som,

Nem registo de nascimento,

Que nem uma sensação   

Que diga falta aqui qualquer coisa.

Que pessoas que aqui entrem

Não sintam os calafrios das paredes.

Não sintam o peso de uma ausência.

Não sintam o calor de alguém que ali tenha vivido.

Intempéries

Se não conseguirdes satisfazer este pedido

De me fazer regressar ao ovo

De que nunca deveria ter saído,

Escrevei num rectângulo desenhado na parede,

Sob esta frase

- Ó incrédulos, o que procurais não existe. –

DEVERIA TER NASCIDO A TANTOS.

EVAPOROU-SE ANTES DOS TANTOS.

NUNCA VIVEU.

 

Zé Onofre

 

 

 

 

 

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub