Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

01
Abr22

Por aqui e por ali 78

Zé Onofre

              78

 

993/06/26

 

O silêncio continua a ser o fio condutor

Que dá sentido à vida.

A ele, como náufrago, me arrimo

Para me proteger da fúria

Das palavras revoltas que me afogam.

Apenas o silêncio continua.

Já houve tempos em que as palavras

Geravam ilhas ou pântanos,

Que como lava queriam brotar.

Hoje o vulcão está tranquilo.

Apenas uma coluna subtil

De vapor de palavras se evola,

Sendo percetível ao noitecer dos sonhos.

    Zé Onofre

19
Mar22

Por aqui e por ali 72

Zé Onofre

              72

 

991/04/23, Porto, Hotel Boega, Acção de Formação Ensinar é investigar

 

Chora palhaço

A tristeza perdida

No dia da tua estreia.

Chora palhaço

A dor do sonho perdido

No dia da tua estreia.

Chora palhaço,

Chora palhaço.

 

O que interessa não é percorrer o caminho,

É o modo como se percorre o caminho.

O importante é que tenha sido feliz a caminhada.

O resultado é sempre o mesmo – fim de linha.

 

 

De palavras sonhamos a vida.

De palavras enchemos a felicidade.

De palavras falamos o silêncio das nossas almas.

 

De linhas traçadas ao acaso

Fazemos encruzilhadas

Que querem ser vida.

Só ilusões nos unem,

Só ilusões se cruzam e entrecruzam.

 

Viagem ao país do impossível,

À solidão de cada um na cidade fria e cinzenta.

A viagem ao país do faz de conta,

Da magia, da fantasia,

E fuga das alegrias estudadas e normalizadas da cidade.

Viagem ao reino das paredes brancas

Onde tudo pode ser e nada é.

      Zé Onofre

16
Mar22

Por aqui e por ali 70

Zé Onofre


              70

 

991/04/22

 

De mutismos, de alguns gestos,

De sons vagos, ressonâncias,

E de uns poucos actos reflexos

Fazemos da vida coisa sem importância.

 

Ciciamos, dizemos, debitamos

Palavras sem pensarmos, ao menos,

Se para ser escutados falamos,

Se, para não ouvirmos, o fazemos.

 

E de palavras e vazios

Um fosso, cavamos.

Já debruçados no precipício

 

Cínicos, ainda perguntamos,

Se é melhor um rude silêncio,

Ou palavras em que tudo calamos?

  Zé Onofre

03
Jan22

Por aqui e por ali 35

Zé Onofre

              35

 

986/06/02, Porto

 

Procurei nas palavras

Respostas.

Só achei silêncio.

Palavra vai,

Palavra vem,

E o silêncio

E o vazio

E a indiferença,

Apenas.

Procuro, agora,

No silêncio

As respostas.

Sonhos,

Utopias,

Milagres,

Maravilhas,

Rios a correr,

O sol,

O mar,

De um papel em branco

Prenhe de respostas

Por dizer.

 

Procuro nas palavras

A arte do silêncio.

Encontro

Nas palavras

A arte de nada dizer.

 

Papel branco

Silêncio

Palavras por escrever.

  Zé Onofre

21
Dez21

Por aqui e por ali 26

Zé Onofre

               26  

 

985/03/28, Marco, acção de formação sobre bibliotecas

 

         I

 

Ah,

Se o mundo

Fosse apenas a solidão.

Ah,

Se fosse apenas.

 

         II

 

Palavras,

Pedras nuas

À espera de carinho.

 

Palavras,

Arestas,

Gumes,

Sequiosas de sangue

Que as reguem.

 

Palavras,

Mãos nuas estendidas

À espera da esmola,

Do bulício …

Ou do silêncio apenas.

 

                                        III

 

Aqui ou ali, ontem ou amanhã, ou mesmo hoje Ivo estará sempre só.

E não só Ivo, como todos os Ivo deste mundo. Mesmo aqueles que não foram à guerra, mas são geradores de guerras.

Mesmo aqueles que medindo a distância em metros, apenas pensam em alcances de mísseis.

Mesmo aqueles que não sendo mutilados pensam o mundo sem onténs, ou amanhãs, mas no tempo eterno de uma explosão de neutrões.

Todos se sentirão sós por não se terem interrogado, antes de agir – que direito tenho eu de premir o gatilho, ou o botão? – e, mais ainda, quando nem um hipotético pastor houver para lhes perguntarem – quem são vocês?

E os outros, nós sós estamos por não fazermos a pergunta agora, enquanto há tempo e não eternidade. 

     Zé Onofre

12
Dez21

Por aqui e por ali 17

Zé Onofre

               17

 

982/04/01

 

Se me permite,

Minha senhora.

Eu

Falo-lhe em cães,

Gatos e coelhos,

Milho e centeio,

Vindimas e desfolhadas

Porque, raios

E carga de água,

A senhora me fala

De meninos bem comportados?

Porque me fala

Em príncipes encantados,

Ou não.

A mim, pobre criança,

Que palmilho

Descalço

Nunca as lonjuras do sonho,

Sempre as pedras ásperas do caminho?

Fala-me

Do que não entendo

E nunca dos montes e dos ninhos

Dos campos verdes onde me rebolo

Nas tardes amenas da Primavera,

Enquanto a vaca,

Pachorrenta vaca pasta.

 

Fala-me de casas,

De janelas

E não da lonjura dos horizontes

Lá,

Onde o verde dos pinheiros,

E o azul do céu, se misturam.

Onde o vento sopra forte

Em Agosto.

Lá onde os passarinhos voam

Em asas de sonho!

Lá,

A beleza,

O sonho

Voam

Em planuras de Liberdade.

 

Porque me fala

De grades,

Paredes,

Prisões,

A mim que sou livre,

Travesso,

(Assim o diz)

E gosto de movimento!

 

Porquê?

 

A srª professora fala-me,

Fala-me,

De letras, e sílabas e palavras,

Ou de palavras, sílabas e letras.

Srª professora

Ajude-me a falar,

A falar,

Sobre o meu porco morto.

      Zé Onofre

13
Nov21

Por aqui e por ali 6

Zé Onofre

                 6

 

1981/02/23, Gouveia – MCN

 

Vá!

Gritai-me as palavras

Com que se fazem os sonhos.

 

Vá!

Gritai-me as palavras

Com que se constroem mundos novos.

 

 Vá!

Gritai-me as palavras

Com que se enfurece o mar.

 

Dizei-me, nem que seja em murmúrios,

A vida serena

Do sol a cantar.

 

Dizei-me por favor,

A poesia de uma noite,

Mesmo que não tenha luar, nem estrelas,

Que seja só de sombras e trevas.

 

Gritai-mas,

Dizei-mas,

Vós as sabeis.

 

Um dia não veio à escola,

Ficou em casa

A fazer bagaço.

Quem me disse que ele era criança?

 

No primeiro dia de aulas

Não veio à escola,

Ficou em casa a trabalhar.

Com que direito o avaliaremos negativamente?

 

Queria ter um laço vermelho,

Grito de alegria

Na cabeça a sorrir.

 

Queria usar palavras sinceras,

Gritos de luz

Na boca a sorrir.

 

Queria ter palavras misteriosas,

Sons e cores da vida a começar.

Zé Onofre

08
Nov21

Por aqui e por ali 5

Zé Onofre

               5

 

980/12/11, Gouveia, MCN

 

Senhor professor,

Creio em si,

Gosto de si,

Mas aborrece-me tanto!

Despeja palavras,

Palavras, palavras

Sobre os meus ouvidos.

Pobres ouvidos,

Os meus.

Ontem,

Por exemplo ontem,

Falei-lhe …

Falei-lhe das minhas galinhas

Que comem milho,

Que põem ovos …

E do galo

Que canta ao amanhecer.

Falei-lhe…

Falei-lhe do meu porco 

Que engordou no Verão

E hoje está morto.

 

Não te dão o pão

Que te roubam

No dia-a-dia.

Não te cobrem o frio,

Nem te aliviam o calor

Que padeces

De sol-a-sol.

Não te ensinam

A vida

Que te sugam sem parar.

De real,

Nem o sonho

Te permitem.

Apenas,

Apenas te oferecem

Ilusões.

Mastigas,

Nas chicletes

A fome

 Por matar.

  Zé Onofre

16
Out21

Penafiel 65

Zé Onofre

                   65

 

06/03/978

 

Que raiva

A perpassar pelos meus dedos.

Que raiva

Nas entranhas.

Que raiva,

Que loucura,

Feito vazio

Nestas horas amargas

Dum sentido por viver.

Que raiva lancinante

Nas palavras caladas

Dentro do vazio

Das horas que passam.

Lá fora, o sol.

Lá fora, os homens.

Nós aqui

Quedos,

Hirtos,

Sem som,

Nem tom,

Em horas perdidas

Pela lonjura de paredes

Frias.

A vida está lá fora.

 Zé Onofre