Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

27
Abr21

Formiga 45

Zé Onofre

                        45

12/04/970

I

Chuva.

Primavera

Árvores tristes,

Como pedintes em romaria,

Expõem os seus gomos enfezados.

Outros tempos,

Outras Primaveras,

Que eram sempre Primaveras,

Com chuva, com sol brando,

Anunciavam o Verão.

II

Essas Primaveras,

Não dependiam do tempo,

Livres viviam dentro de mim.

Expressavam-se em correrias loucas,

Aventuras do Arco-da-velha,

Caminhadas sem fim e sem rumo,

Explorador de ouro em fundas minas,

Escavadas no pasto das vacas,

Que a meu lado ruminavam o tempo.

III

Às vezes,

Apesar desta Primavera tão diferente,

Num sonho acordado,

Sentado nos penhascos,

Onde o mar se desfaz em espuma,

Viajo sobre as ondas até ao fim do mundo.

Outras vezes,

Mergulho ao fundo de mim mesmo,

Espelho desfeito em mil pedaços,

Vejo imagens misturadas,

Onduladas no vento das recordações,

Sonhos destroçados ao entardecer.

IV

Olhando a chuva escorrendo pala janela,

Assalta-me um desejo louco,

E sair voando, desta cadeira que me ata,

A apanhar os cacos dos sonhos quebrados,

A minha vida.

V

Viver é surpreender o futuro.

Viver é sair para a aventura.

Viver é o improviso.

Viver é expor com verdade as emoções.

Viver é realizar os sonhos por sonhar.

Viver é deixar-se ir no vento.

Viver é respirar cada segundo como se fosse o último.

VI

Apesar desta Primavera que me oprime,

Quero com estes remos mesmo partidos,

Navegar no Rio dos impossíveis.

Remar contra a corrente.

Neste barco a cair aos bocados

Chegar, não sei onde,

Apenas Chegar

Poderia ser um barco à vela

Um bote a motor.

Tinha que ser a remos o barco,

Mesmo que feito de caruncho,

Mesmo sabendo que se pode

Diluir em pó nas águas correntes.

Tenho de tentar a viagem

Mesmo que o final seja outro,

 Que não o esperado.

            Zé Onofre

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub