Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

14
Ago22

Histórias para aprender a ler e a escrever - Livro I - Um presente diferente

Zé Onofre

Um presente diferente

 

Um presente diferente.jpg

Eva vivia numa quinta.

A sua vida era quinta-escola,

Escola-quinta.

 

Ler e escrever.

Mais do que “deveres”

Era oportunidade de correr mundo,

Ter tempo de sonhar e de sorrir.

 

A seguir era o tempo dos pais.

Tanto estava de faca na cozinha

Como de sacho regava as culturas.

Ou, de foicinha, segava erva para o gado.

 

Ultimamente era difícil

Pôr os olhos em cima da Eva.

Parece que a rapariga vive na escola.

O pai serenando a mãe leva-a

Em silêncio até à cavalariça.

 

Chegam-se à beira da Eva.

Debruçada na cerca,

Embevecida, olhava a égua.

Com a barriga, redonda como o mundo,

Já mal se arrastava.

 

Vamos Eva, ainda não é para já.

De olhos presos na égua

Foi difícil arrancá-la de lá.

Comeu pouco. Caiu na cama

Como se tivesse feito a volta à aldeia.

 

O pai agitado, antes do nascer do sol,

Entra no quarto de Eva, chama-a.

Vem de pijama, mas calça-te.

A Eva, ligeira, entra na cavalariça.

– Que linda?

 

Gostas?

Tão fraquinha nas suas perninhas

E já de pé! Olha, olha como ela mama?

Sem fazer gestos bruscos

O pai entra na cerca.

 

Põe um laço vermelho

No frágil pescoço da cria

E agora que te parece?

Belíssima, uma menina

Acabada de arranjar.

 

A menina do laço vermelho,

Diz a mãe abraçando-a, é tua.

Naquele dia, na escola, 

A Eva falava, falava,

Do seu belo presente.

 

Desenvolvimento

Proceder como anteriormente