Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

05
Out21

Penafiel 54

Zé Onofre

                 54

 

09/01/978

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Em palavras duras, cruas,

Que são difíceis de receber.

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Através de figuras cruas

Do nosso difícil de viver.

 

Aproxima-te

Ó mulher prostituída

Dos verdes anos sem viço.

 

Aproxima-te

Ó velho reformado

Dos bancos do jardim.

 

Aproxima-te

Ó criança trapo

Do bairro de lata.

 

Aproximai-vos e gritai.

Grita,

Mulher prostituída

O teu sexo frio.

 

Grita,

Velho reformado,

Os teus anos gastos

De miséria pura.

 

Grita,

Criança,

A tua fome milenar.

 

Vinde,

Saí da penumbra.

 

Sai,

Mulher prostituída,

Da sombra do teu viver obscuro.

 

Sai,

Velho reformado,

Do banco gasto do jardim público.

 

Sai,

Criança trapo,

Dos farrapos do teu já cansado viver.

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Em palavras duras, cruas,

Que são difíceis de receber.

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Através de figuras cruas

Do nosso difícil de viver.

 

Aproxima-te,

Senhora dona Fulana

Dos salões de chá,

Dos bailes de Caridade.

 

Aproxima-te,

Velho ricaço,

Ajoelhado (em cuecas)

Em frente à jovem criada.

 

Aproxima-te

Criança farta, birrenta e aborrecida,

Abonecada pelos caprichos da Mamã.

 

Grita,

Senhora dona Fulana,

A tua inutilidade

Feita caridade em tempos de Natal.

 

Grita,

Velho Ricaço,

O teu moralismo em discursos de altar.

 

Grita,

Criança aborrecidamente farta,

A meninice mimada com a pobreza de outros.

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Em palavras duras, cruas,

Que são difíceis de receber.

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Através de figuras cruas

Do nosso difícil de viver.

 

Aproxima-te,

Ó mulher domesticada,

Mãe dos teus filhos.

 

Aproxima-te,

Ó homem libertino,

Corno e corneador dos teus amigos.

 

Aproxima-te,

Ó criança maltratada,

Filha do acaso ou das conveniências.

 

Aproximai-vos e gritai.

 

Grita,

Ó mulher domesticada,

A tua vida roubada.

 

Grita,

Ó homem libertino,

Os teus cornos florescidos.

 

Grita,

Ó criança maltratada,

A tua inocência pura.

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Em palavras duras, cruas,

Que são difíceis de receber.

 

Pediram-me que falasse da vida.

Aqui estou para a dizer

Através de figuras cruas

Do nosso difícil de viver.

 

 

 

Aproxima-te,

Ó mulher operária,

Construtora e transformadora da vida.

 

Aproxima-te,

Ó homem operário,

Construtor e transformador da vida.

 

Aproxima-te,

Ó criança,

Nascida do amor,

Doado e criado mão na mão.

 

Aproximai-vos e gritai.

 

Grita,

Ó mulher operária,

A tua alegria de viver

De construir e transformar a vida.

 

Grita,

Ó homem operário,

A tua alegria de viver

De construir e transformar a vida.

 

Grita,

Ó criança nascida da alegria,

A felicidade de seres filha do amor.

24
Ago21

Souto 39 (A brincar aos poemas de Amor)

Zé Onofre

                     III  

Tudo na vida começa

No acaso de um momento.

Mesmo que para mal aconteça,

Ninguém pára o movimento.

 

Está errado quem não creia

Que o acaso é o primeiro elo

De uma enorme cadeia

Que nos ata sem apelo.

 

Por isso o que vem depois,

É um caminho desconhecido

Para se caminhar dois a dois

Até ficar com paixão concluído.

 

Os elos cuidadosamente enlaçados

Com todo o amor e carinho

E a nosso modo entrançados,

Venceremos cada curva do caminho.

                   IV

Se a estrada ouvisse e falasse,

As palavras que gemidas saem

Desta boca, talvez calasses,

E não dissesses que não te quero bem.

                  V

Encontramo-nos por acaso

Num dia fim de Verão.

O sol já passara o ocaso

Mas não o meu coração.

 

Chisparam os olhos de volúpia

Ao ver tua boca vermelha risonha.

Partiste. De lamúria em lamúria

Cada noite fica mais tristonha.

 

Recordo aquele tempo

Em que os teus cabelos sedosos

Se agitavam como ameno vento

Às carícias dos meus dedos vaidosos.

 

Sem os teus olhos sorrindo,

Sem as tuas palavras meigas,

Sem o teu corpo se abrindo

Sou árvore só numa veiga

 

Que fazer agora, então

Com esta saudade sem fim.

Esperar que venha outro verão,

E viver com o que de ti há em mim.

 

Pergunto à saudade com o coração,

Se voltarão as noites de alegria,

Se os nossos corpos se unirão,

Em algum outro novo dia.

 

A saudade recorda o que perdi,

Diz-me que o que foi não voltará.

Contento-me com o que vivi,

E com o que o tempo futuro trará.

 

                         VI

Olhei-te um dia por olhar,

E vi que para mim sorriste.

Não soube bem analisar,

As palavras que pestanejaste.

 

Fico sem saber o que dizer

Nem explicar o que faço.

Como te farei entender

Que o amor se faz passo a passo.

 

Não é vivendo no passado,

Nem temendo o que trará o futuro.

Construi-lo-ei contigo ao lado,

Ou tudo será muito prematuro.

                       VII

Pensa bem que o amor

Não são palavras bonitas

Que possa dizer com fervor,

E só para te agradar serão ditas

 

O amor são os factos

Que com sinceridade

Pratico em todos actos

Com ternura e lealdade.

 

Ouve, nunca me peças,

Que te diga “eu amo-te”

Pode ser que te impeça

De ouvires o “eu engano-te”.

 

Àqueles que em simples actos,

Mostram todo o seu interior

Pensa bem se naqueles factos

Não estará o meu amor.

 

Nunca retribuas como pagamento

O que te dou desinteressadamente.

E com todo e inteiro sentimento

Mostra que te amo inteiramente.

 

Eu, que penso que sei o que é amar,

Sei também certamente compreender

Que quem tem verdadeiro amor para dar,

Alimenta-se do amor que receber.

 

Quero amar-te, sem fingimento,

Sem palavras falsas que nos firam.

Quero amar-te a qualquer momento,

Em todas as horas que nos esperam.

 

Não peças que te ame eternamente

É um pedido a que não sei responder.

Se sim, ou se não, errarei certamente,

Não sei o que o futuro nos vai trazer.

 

Supondo que em algum momento

O amor que te tenho vier a morrer,

Dir-to-ei com todo comedimento

Que amares sem ser amada é só sofrer.

 

As circunstâncias, que ditam a verdade,

Alteram-se e modificam tudo não é?

Não te esqueças que sem liberdade,

Não há amor que se mantenha de pé.

 

A liberdade é imprescindível no amor.  

Sem liberdade ele morre, torna-se prisão.

Restam muitas lágrimas, amargura e dor.

A rasgar como faca afiada um coração.

 

Neste momento que me abro aqui

Peço-te que não te deixes escolher.

Não permitas que olhem para ti

Uma flor de florista que todos vão ver.

 

Não distribuas ao desbarato o teu amor,

Dá-o apenas a quem amares realmente.

Procura saber, seja a pessoa que for,

Se é o que é, ou se é outra diferente.

 

Então sim, entrega-te e ama plenamente.

Não penses que vais viver o amor ideal,

Se ele existir, como dizem, realmente.

Zé Onofre

 

 

 

 

 

02
Ago21

Souto 18

Zé Onofre

               18

 05/12/974

              I

 Sinto uma dor insofrida,

Vaga,

Em parte incerta de mim.

A inconsciência,

Tortura iminente

Que nasce e vive,

Se prolonga e morre,

Em algum lugar de mim.

Todos os dias

Esta loucura perdida

Ressurge

De dias estropiados,

De factos esquecidos,

Ou de desvios da vida.

Esta tortura certa

Que me atravessa cada dia

Vinda da incerteza

De saber se alguma vez

Haverá a ressurreição da esperança,

Haverá um nascer novo

De um dia diferente dos ontens,

De um eu diferente de todos os passados.

                      II

São horas

Muitas ou poucas,

Loucas ou curtas,

Impensadas,

Vividas ao acaso

Em ruas que desconheço,

Mas conhecidas de alguém.

                    III

Imaginação fértil

Rica em derrotas

Rica em vitórias.

Já nem distingo

Derrotas de vitórias,

Ou se as invento.

Se acontecem e se sucedem

Ou apenas vivem só em mim.

                        IV

Vivo na corda bamba

Num desequilíbrio impossível,

Dinâmico, constante,

Resultante da luta

Entre a realidade frustrante

E a imaginação galopante.

De um pensamento morto,

Ou de uma realidade moribunda.

     Zé Onofre

 

 

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub