Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

23
Fev22

Por aqui e por ali 63

Zé Onofre

               63

 

sd

 

Não procuro a morte

Porque a achei.

Aqui estou eu

Sentado,

Sentado,

Sentado.

 

Só me faltam os chinelos

- Tenho os pés descalços -

Só me faltam os chinelos

E uma careca luzidia,

Para que procurar a morte?

 

Sim eu,

Eu, que jurei não morrer

Aqui estou

Abjurando.

 

Sim,

Este mesmo

Que fez promessas de juventude eterna,

Sim.

Eu,

Que já nem me revolto.

Este

Que sonhava,

Sonhava,

Sonhava…

 

Rezem-me pelo corpo

A alma,

Essa,

Já morreu.

  Zé Onofre

15
Dez21

Por aqui e por ali 20

Zé Onofre

               20

 

983/01/30

 

         I

 

Que fizeste,

Que fizeste dos teus dezoito anos?

Que fizeste aos teus dezoito anos?

Em que praia,

Ou rio

Os deixaste soterrados?

Que fizeste aos teus dezoito anos?

 

        II

 

Não,

Não foi esta vida que sonhaste?

Não,

Não sonhaste uma televisão

E chinelos

E silêncios.

Não,

Não foi isto que sonhaste.

Não,

Não sonhaste chuva e vendavais,

E tremores de terra.

Sonhaste

Horizontes sem montes.

Não,

Não foi isto que sonhaste,

Não sonhaste uma televisão,

Uma barriga,

Chinelos

E silêncio

Não,

Não foi isto que sonhaste,

Não.

Que fizeste aos teus dezoito anos,

Que fizeste?

 

        III

 

Agora,

Só te falta uma careca

E uma ranchada de miúdos

A dizer papá.

E tu,

Com a baba a escorrer,

Pela barriga redonda.

Afagar em cada um,

Os sonhos que enterraste

Um a um.

Zé Onofre