Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

17
Nov22

histórias de A a Z para aprender a ler e a escrever - Livro 1 - Hugo, o engenhocas

Zé Onofre

                                                 Hugo, o “engenhocas”

HUGO O ENGENHOCAS.jpg

                      

Era Domingo de Primavera,

Daqueles mesmos primaveris.

Um céu azul diáfano,

Uma ou outra nuvem feitas caravelas,

Uma aragem morna

Que os consolava das geadas

Que parecia partirem as janelas.

 

Era Domingo e,

Como não há Sábado sem sol,

Domingo sem missa

E segundas sem preguiça,

O Hugo e o resto da cambada,

Sobe a estrada com ar misterioso

De quem tem alguma preparada.

 

E na verdade assim acontecia.

Toda a semana Hugo os cansara

Com a mesma ladainha.

Domingo ninguém vai à missa das sete,

Vamos todos à das onze

Que o seu fim promete.

 

Naquele Domingo

O sermão parecia não ter fim.

Que raios, pensava o Hugo.

Logo hoje, que tenho pressa.

O Sr. Padre zangado,

Com palavras cortantes como facas,

Condenava uns tais de Tedy boys

E que um dia veríamos Tedy vacas.

 

Mal o padre disse

As palavras mágicas

“Ite missa est”.

Mesmo não sabendo latim,

Hugo e os seus amigos

Sabiam que a missa chegara ao fim.

 

Vão apressados atrás do Hugo

Que sobe as escadas do patronato

E desce ao poço do pára-raios.

Aparece de braços ao céu,

Nas mãos um carro de rolamentos

Como quem ergue um troféu.

 

Bolas Hugo, é essa a surpresa?

Hugo mergulha no poço de novo,

E com ar triunfante

Arranca lá do fundo um atrelado,

Que de tão comprido,

Todo amigo fica de olho arregalado.

 

Corre para a estrada.

Monta carro e atrelado.

Senta-se às guias.

Toca a sentar

Hoje vai tudo a foguete.

Estão aqui, estão em casa.

Está tudo pronto?

Vamos, lá então, na brasa.

 

As areias reduzidas a pó

Faíscam sob os rolamentos.

Nem se dão conta

Da curva logo ali.

Hugo inebriado com a emoção

Nem se apercebeu

Que a carga se esfola pelo chão.

 

Continua célere

Totalmente esquecido

Que outra curva já lá vem,

Mais apertada que a primeira,

Nada havia a fazer.

O carro já era

Lançara-se num ribeiro,

O Hugo voa no ramo de uma hera.

   Zé Onofre

25
Abr22

Comentário 253

Zé Onofre

B253 --------- 248

 

022/04/25

 

Sobre a pena de uma provinciana por Concha em cronicasdochaosagado.blogs.sapo.pt.  2402.22.  

 

Algures,

Lá atrás, nos passos perdidos da infância,

Havia uma porta

Rodeada de mistérios

Como se fossem heras.

 

Algures,

Lá atrás, nos passos perdidos da infância,

Havia uma porta

Rodeada de mistérios

Como se fossem heras

Onde os meus olhos se perdiam.

 

Algures,

Lá atrás, nos passos perdidos da infância,

Havia uma porta

Rodeada de mistérios

Como se fossem heras

Onde os meus olhos se perdiam,

E as mãos se deliciavam a acariciar.

 

Algures,

Lá atrás, nos passos perdidos da infância,

Havia uma porta

Rodeada de mistérios

Como se fossem heras

Onde os meus olhos se perdiam,

E as mãos se deliciavam a acariciar,

E escutava, através da porta, sons desconhecidos.

  

Algures,

Lá atrás, nos passos perdidos da infância,

Havia uma porta

Rodeada de mistérios

Como se fossem heras

Onde os meus olhos se perdiam,

E as mãos se deliciavam a acariciar,

E escutava, através da porta, sons desconhecidos,

E o meu coração batia mais acelerado.

 

Quem me dera ter tido coragem

Algures,

Lá atrás, nos passos perdidos da infância,

Onde havia uma porta

Rodeada de mistérios

Como se fossem heras,

Ter visto mais longe das heras

Onde os meus olhos se perdiam,

Ter empurrado a porta

Que as mãos se deliciavam a acariciar,

Ter aberto a porta atrás da qual

Escutava sons desconhecidos,

Ter conhecido o que havia para lá da porta

Que fazia o meu coração bater mais acelerado.

    Zé Onofre

 

 

 

 

 

 

.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub