Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Notas à margem

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Textos escritos em cadernos, em guardanapos, em folhas encontradas ao acaso, sempre a propósito, nunca de propósito. isto é "vou escrever sobre isto". Não é assim que funciono.

Notas à margem

16
Jan23

Que viva Spartacus 35

Zé Onofre

              35

 

023/01/16

 

O maior crime contra a humanidade

É não se ser humano.

Não se ser humano

É olhar outro ser humano

Do alto da nossa importância

E superioridade.

 

É elevarmo-nos sobre os outros

Devido à cor da pele,

Devido ao nascimento,

Devido às crenças religiosas,

Devido ao envolvimento cultural,

Devido às faculdades intelectuais,

Devido ao conhecimento.

 

Nenhuma destas,

E de outras qualidades

Nos habilitam a considerarmo-nos superiores

A qualquer ser humano.

Todas elas

São qualidades que derivam do nascimento.

 

O que não é de nascimento

É rebaixar os outros.

O que não é de nascimento

É escravizar outros seres humanos.

O que não é de nascimento

É querer ser dono dos recursos naturais.

 

Homens,

Que ainda não perdestes a humanidade,

São horas de nos unirmos

Contra o pai e a mãe

De todos os crimes,

De todas as guerras,

De todos os genocídios,

De todos medos,

De todos os atropelos à natureza,

 

Homens,

Que ainda não perdestes a humanidade,

São horas de nos unirmos

Contra a exploração do homem pelo homem.

Não adianta combater os efeitos desta.

Continuaremos a lutar contra fantasmas.

24
Dez22

Dia de hoje 83

Zé Onofre

               83

 

022/12/19

 

Natal,

Orar ao Sol

Que regresse

Para nos tirar do Hades

O reino das trevas

Onde caímos no equinócio do Outono.

 

Natal,

A memória de um novo Sol

Que nasceu num curral escuro de Belém

Para dar uma nova Luz ao Mundo.

 

Natal,

Um novo olhar sobre a vida,

Uma nova visão dos homens,

Todos nascidos do ventre escuro da mãe,

Nus,

Sem coroas, nem mordomias,

Sem riquezas,

Todos nascidos de mãos nuas e puras.

 

Memória do nascimento de um menino,

Não por ter nascido um menino,

Igual a todos os outros meninos

E como outros tantos

Nascidos nas margens da vida,

Na margem da humanidade.

 

Natal, celebração de um Menino

No dia do seu Nascimento.

Porque esse Menino

Além de passar pelas fases de crescimento

- Criança e adolescente,

Jovem e adulto –

Cresceu também em Sabedoria

E Inteligência.

 

Aquele Menino, nascido num curral,

À luz das estrelas,

Entre animais e pastores,

No seu trabalho do dia-a-dia,

Na frequência da sua Igreja

Usando o saber que lhe transmitiam,

Usando a sua inteligência

Para ver a realidade

Confrontando-a com os ensinamentos.

 

Havia uma diferença abismal

Entre a vida e o ensinamento.

A sua aguçada inteligência

Não aceitava a distância

Que ia da palavra ao acto.

 

Principiou por confrontar

Os Mestres da sua igreja.

Denunciar,

Não a lei,

Mas a sua Manipulação

Pela hierarquia sacerdotal,

Pela hierarquia política,

Pela elite económica.

 

Há quem celebre o Natal

Como apenas o Nascimento de um menino.

É o Natal da minha infância.

Apanhar musgo,

Arbustos,

Para fazer o presépio na Igreja.

Era a alegria da brincadeira no Largo,

O entrar na Igreja para a Missa do Galo,

Ver o presépio iluminar-se

Ao som das badaladas da meia-noite

E de “o Gloria in excelsis Deo”.

Tudo isto depois da Ceia de Natal em família.

 

Como lembrar todos os nascimentos,

De tantas crianças

Que, como aquele menino,

Nasceram desamparados e abandonados por todos.

 

Como falar da miséria

Que fica para lá das janelas coloridas

Que expõem ao mundo o excesso

Enquanto, deitada em lençóis de neve,

Uma menina morre aquecida

Por fósforos não vendidos.

 

Como revolta

Contra aqueles que transformaram o Natal

Num Centro Comercial,

Que relegaram outra vez para um canto escuro

O aniversariante,

Substituindo-o por um velho barrigudo,

Barbas e cabelos brancos,

Vestido de vermelho,

O homem da Coca-cola.

 

Como apenas tendo sentido

Comemorar o Natal daquele menino,

Não pelo fato de ter nascido,

Mas pelo que fez

Até ser crucificado como um criminoso

Porque ousou enfrentar

Os poderes instituídos

Que manipulavam a lei em seu proveito.

 

Espero no próximo 24 de Dezembro

Comemorar com saudade o Natal da minha infância,

Sabendo, contudo, que o Natal

É muito mais que isso.

Zé Onofre

01
Nov21

Daqui e por ali 2

Zé Onofre

                    2

 

1979/11/14

 

Mulher

Nossa irmã

Companheira.

Fizemos-te

Objeto,

Adorno,

Enfeite,

Propriedade,

Jarra florida.

Mãe,

Esposa,

Amante.

Mulher,

Minha irmã

Companheira.

Mulher,

Cidadã.

 

Só,

Emoldurada numa casa,

Abandonada,

Retirada da vida.

Roubamos-te a vida

A ti

Que dás a vida.

Roubamos-te a existência,

Tu

Que és existência.

Proibimos-te

A vida,

O ser,

O existir.

Amarramos-te,

Tu

Que és a liberdade.

Mulher

Não és sacrifício,

És cidadã.

 

Isolada,

 Fantasma  do passado,

Medo,

Sacrifício,

Recusa,

Abandono,

Doação.

Mulher

És cidadã.

Mulher,

Minha irmã,

Companheira.

 

Lixeira,

Essa solidão em que vives.

Lixeira,

Essa distância em que ficas.

Lixeira,

Essa lonjura do mundo.

Lixeira,

Esse fundo com que te confundes.

Lixeira,

Essa jarra que maquinalmente arranjas.

Lixeira,

A espera que fazes todos os dias.

Lixeira,

Esse tempo que vives adormecida.

Lixeira,

O desinteresse com que te entregas.

Lixeira,

Essa tua voz conformada.

Lixeira,

A cabeça que manténs baixa.

Lixeira,

A tua humanidade ofendida.

Lixeira,

A humilhação a que te sujeitamos.

Lixeira,

A tua vida de sujeição.

 

Flor

Serás, um dia.

Tu mesma,

Plena,

Humanizada.

Mulher,

Flor

Serás, amanhã.

  Zé Onofre

 

28
Ago21

Penafiel 6

Zé Onofre

            6

08/02/977

Era uma noite longa, longa,

Longa de escuros e sombras.

Nessa noite uma criança caminhava

Contra o vento sibilante

Do deserto em fogo.

 

Era uma noite longa, longa,

De escuros e sombras.

Nessa noite uma criança caminhava

Contra a chuva pesada

Do deserto em cinzas.

 

Era uma noite longa, longa,

Longa de escuros e sombras.

Nessa noite uma criança caminhava

Contra a calmaria

Do deserto em lama.

 

A madrugada rompeu,

Em gritos de cores.

Nesse alvorecer

A criança era morta.

 

O deserto

É selva de cimento e aço,

É a cidade.

 

Cidade de indiferença,

Trucidadora

Inconsciente

Da Humanidade

Que cada um porta em si.

  Zé Onofre

11
Ago21

Souto 30

Zé Onofre

30

 20/03/975

 Hoje,

Não é hoje,

São mil dias contidos

Numa vontade de quererem ser hoje.

 

Hoje, são milhões de anos

A nós trazidos, a nós agarrados

Por outros hoje, que não foram hoje,

Mas milhões de dias contidos

Numa vontade de quererem ser hoje.

 

Hoje, é uma eternidade

De milhões de hoje.

Hoje que foram milhões de anos

Todos aqui trazidos, a nós colados,

Com outros hoje que não foram hoje,

Que foram milhares de hoje contidos,

Numa vontade de querer ser hoje.

 

Hoje, é o grito da humanidade

Que ao longo de milhões de séculos

Tem evoluído de hoje em hoje,

Que têm sido uma eternidade

De milhões de hoje

Que foram milhões de anos

Aqui trazidos e acorrentados

Nos outros hoje

Que não foram hoje

Que foram mil dias contidos

Numa vontade de quererem ser hoje.

 

Hoje

É o som dum cristal,

Que, sem espaço para cristalizar,

Resolveu nascer amiba,

E iniciar a vida

Que por caminhos imprevisíveis,

Com uma infinidade de contradições

Viu surgir o bicho Homem

Que hoje

Se tenta libertar,

Que tem vindo a descobrir

Que num hoje qualquer

Na plenitude do tempo,

Na largueza do espaço,

Acabará por cristalizar.

  Zé Onofre